Ponto de vista

Opiniões de especialistas para você saber e comentar

Pesquisar
Assunto
Data de
Data até
Autor
Veículo

14/01/2020 00:00

Jurandir Fernandes

Carta de Jurandir Fernandes à Ombudsman da Folha de São Paulo

Sra. Flavia Lima

Ombudsman da Folha de São Paulo

  

Prezada Sra. Flavia, pretendo aqui mostrar-lhe o pouco compromisso deste jornal com o seu leitor. Uma simples carta, sem ataques ou ofensas, mas de muita importância por todos os envolvidos no tema exposto, não foi publicada. A justificativa: tamanho (número de caracteres). Bastava, como pode observar nas mensagens trocadas, uma maior vontade de fazer valer o direito do leitor, diga-se de passagem, direito totalmente assimétrico: contrapor-se com 80 palavras a uma matéria de ¾ de página com ilustração! 

Abaixo seguem (da mais recente à mais antiga) 06 mensagens trocadas com o Painel da Folha durante tentativa de publicar Carta do Leitor esclarecendo pontos importantes omitidos na matéria “Com capacidade para 2000, trem até Cumbica viaja com 35 passageiros” Caderno COTIDIANO 08 JANEIRO.

Note, prezada Flavia, que, após receber a mensagem relatando que a Carta estava longa, a refiz tentando ficar dentro dos parâmetros fixados, mesmo correndo o risco de deixar pontos importantes fora de meus comentários.

Somente na tarde de sexta, após receber pedido meu de informação sobre a nova versão, foi-me enviada a mensagem 02 justificando nova recusa.

Observe que na primeira versão eu alertava para o risco de: ”O leitor poderá ser induzido a pensar que foram gastos bilhões para transportar 350 pessoas/dia e não 15 mil. “. Já no dia seguinte à publicação do omisso artigo, o articulista Roberto Dias, baseado num texto falho, repito, escreveu na página 03, FSP-09/01/2020, “...porque o trem que vai ao aeroporto de Cumbica não chega até ele, e os vagões...continuam às moscas”.

Portanto minha preocupação não era infundada. Além do articulista rápido, sem dúvida radialistas e blogueiros, identicamente rápidos, levam adiante a desinformação na velocidade da luz.

Nos dias atuais as manifestações dos clientes, consumidores, usuários, leitores, tem sido tratadas com grande importância. No uso de qualquer aplicativo, da AMAZON ao MAGALU, do UBER ao AIRBNB, os clientes tomam por base a manifestação dos que consomem ou utilizam aquele serviço. É um contrassenso da FSP descartar manifestações por alguns caracteres a mais, mesmo tendo a prerrogativa explícita no Painel do Leitor: “A Folha se reserva o direito de publicar trechos das mensagens”.  O Painel resolveu não publicar! O ato não foi explícito, mas na prática esta Carta, caso fosse publicada, só o seria na próxima terça-feira, uma semana depois do fato gerador perdendo completamente conexão com o malfadado artigo do dia 08.

Ao invés de aumentar a oferta, reprimir uma demanda de seus clientes é realmente entregar os pontos para as novas formas de comunicação.

 

Obrigado pela atenção.

Jurandir Fernandes.

19.999 001 888  whatsapp

 

ABAIXO SEGUEM AS MENSAGENS TROCADAS COM O PAINEL DO LEITOR.

1)      De: jurandir fernandes 

Enviada em: sábado, 11 de janeiro de 2020 12:10
Para: Painel do Leitor <leitor@grupofolha.com.br>
Assunto: RES: carta ao PAINEL DO LEITOR sobre a LINHA 13 AEROPORTO CPTM

 

Caro Tedesco, 

Reproduzo o que estabelece a FSP no Painel do Leitor: “A Folha se reserva o direito de publicar trechos das mensagens. Informe seu nome.......” (grifo meu). 

Como não tinha informação sobre o número de letras ou toques limite, fiz a primeira versão tentando esclarecer os pontos equivocados ou omitidos na matéria sobre o Trem do Aeroporto (chamemos assim). 

O Sr. não usou a prerrogativa acima grifada, certamente por estar a Carta muito além do limite conforme sua resposta na quarta-feira (08/01). Compreendi. 

Na quinta-feira (09/01) enviei-lhe nova versão.  Ficou com 84 palavras, 502 caracteres e 585 toques. 

Novamente a Carta não foi publicada por estar longa. A resposta chegou-me apenas no final da tarde de ontem, sexta-feira, após outra mensagem minha perguntando sobre a Carta. 

Talvez possa ser publicada na terça-feira, caso tenha sorte de passar pelo seu crivo a tempo. Fica óbvio que a Carta não terá mais sentido. Dos poucos que leram a dita matéria, certamente menos ainda lembrar-se-ão do que se tratou nela. 

Concluo que o mal teria sido menor caso o Sr. publicasse trechos da mensagem ( conforme regra da FSP-Painel do Leitor),  inclusive tendo em mim alguém que certamente iria colaborar com esta sua boa vontade, caso tivesse ocorrido. 

Jurandir.

 

 

2)      De: Painel do Leitor <leitor@grupofolha.com.br>
Enviada em: sexta-feira, 10 de janeiro de 2020 18:19
Para: jurandir fernandes <jurandir.fernandes@hotmail.com>
Assunto: RES: carta ao PAINEL DO LEITOR sobre a LINHA 13 AEROPORTO CPTM

 

Olá sr. Jurandir 

Ainda está um pouco acima do limite. E eu ainda precisaria incluir o título da reportagem para situar o leitor.

abraço

Tedesco

 

 

 

3)      De: jurandir fernandes [jurandir.fernandes@hotmail.com]
Enviado: sexta-feira, 10 de janeiro de 2020 17:36
Para: Painel do Leitor
Assunto: ENC: carta ao PAINEL DO LEITOR sobre a LINHA 13 AEROPORTO CPTM

Prezado Luiz Antonio,

 Recebeu a versão reduzida da carta ao Painel do Leitor, sobre a Linha 13?

Há previsão de publicação dela?

Obrigado, Jurandir.

 


4) De: jurandir fernandes
Enviada em: quinta-feira, 9 de janeiro de 2020 10:00
Para: Painel do Leitor <leitor@grupofolha.com.br>
Assunto: RES: carta ao PAINEL DO LEITOR sobre a LINHA 13 AEROPORTO CPTM

 

Prezado Luiz Antonio, 

Em primeiro lugar, muito obrigado pela sua pronta resposta.

Fiz a versão reduzida acima tentando ao máximo passar o “estado-da-arte” da situação, e deixando de fora os demais comentários sobre a matéria.

Uma vez mais muito obrigado pela atenção.

Jurandir. 

 

CARTA PAINEL DO LEITOR: LINHA 13 AEROPORTO

 

O projeto considerava a estação em frente ao Terminal 2. A Secretaria do Patrimônio da União publicou Portaria liberando-nos área dentro do sítio aeroportuário. No processo de concessão, governo Dilma, esta Portaria foi ignorada e a Concessionária apresentou plano de negócio para todo o sítio aeroportuário. A estação foi então reprojetada considerando o monotrilho cuja implantação foi confirmada pela GRU-Airport no lançamento da obra. No evento, apresentou material ilustrando o traçado do monotrilho. Vergonhosamente, até hoje a GRU-Airport não honrou seu compromisso. 

 

 

5)      De: Painel do Leitor <leitor@grupofolha.com.br>
Enviada em: quarta-feira, 8 de janeiro de 2020 17:44
Para: jurandir fernandes <jurandir.fernandes@hotmail.com>
Assunto: RES: carta ao PAINEL DO LEITOR sobre a LINHA 13 AEROPORTO CPTM

 

Caro sr Jurandir

A carta está muito grande (tem 1.700 caracteres, incluindo espaços)

Precisa ter no máximo 500 caracteres, com espaços. 

Atenciosamente

 

Luiz Antonio Del Tedesco


6)      De: jurandir fernandes [jurandir.fernandes@hotmail.com]
Enviado: quarta-feira, 8 de janeiro de 2020 14:36
Para: Painel do Leitor
Cc: alckminfilho@gmail.com
Assunto: RES: carta ao PAINEL DO LEITOR sobre a LINHA 13 AEROPORTO CPTM

 

TREM DO AEROPORTO LINHA 13 CPTM SÃO PAULO

 

Sobre a matéria “...trem até Cumbica viaja com 35 passageiros” cabem alguns esclarecimentos.  O texto faz referência exclusivamente ao serviço Expresso que parte da Estação Luz a cada duas horas. Não cita o serviço normal a partir da Estação Engenheiro Goulart, com partidas a cada 20 minutos. Cita que o serviço Expresso “atingiu uma média diária de 350 passageiros” mas não cita que o serviço normal transporta 15.000 passageiros/dia!  Ao citar custos, lembra que “a Linha 13-Jade custou R$2,3 bilhões”. O leitor poderá ser induzido a pensar que foram gastos bilhões para transportar 350 pessoas/dia e não 15 mil.

Ao referir-se à “falta de conexão direta entre o trem e os terminais de Cumbica”, é importante esclarecer que o projeto do Governo de São Paulo considerava a estação em frente ao Terminal 2. Após obtermos a Licença Prévia de mais de 20 órgãos municipais, estaduais e federais, a SPU-Secretaria do Patrimônio da União publicou portaria nos autorizando utilizar a área dentro do sítio aeroportuário. No processo de concessão do Aeroporto, no governo Dilma, esta Portaria foi ignorada e permitiram que a Concessionário apresentasse seu plano de negócio para todo o sítio aeroportuário, inviabilizando a estação projetada. A estação foi então reprojetada, inclusive considerando o engate com o futuro monotrilho cuja implantação foi assumida pelo próprio CEO da GRU-Airport, em evento de lançamento da obra em 2013. Na ocasião a GRU-Airport apresentou à mídia presente farto material ilustrando o traçado do monotrilho de sua responsabilidade. A Linha 13, de complexidade e custo muito maior já está pronta desde 2018. Infelizmente a palavra da GRU-Airport ainda está por ser cumprida.

2

Jurandir Fernandes é Presidente da Divisão Latino-Americana da União Internacional de Transportes Públicos (UITP) e Coordenador do Conselho de Logística e Mobilidade do Sindicato dos Engenheiros de São Paulo. Foi Secretário de Transportes Metropolitanos na gestão Geraldo Alckmin

 


Comente

Nome
E-mail
Comentário
  * Escreva até 1.000 caracteres.
 
 



Envie o link desta página um amigo

Seu Nome
Seu E-mail
Nome do seu amigo
E-mail do seu amigo
Comentário